76
Visualizações
Acesso aberto Revisado por pares
Espaço Publicitário

Sprint Quattro Secure

Sprint Quattro Secure

Medtronic

A família Sprint Quattro Secure de cabos-eletrodos para cardiodesfibriladores implantáveis (CDIs) representa o estado da arte na evolução do design e dos materiais empregados. A experiência resultante de 130.500 implantes realizados nos EUA. e 63 meses de desempenho acima da média permitem assegurar que o cabo-eletrodo Sprint Quattro apresenta um padrão de performance excepcional (Figura 1).


Figura 1 - Mais de 98% dos cabos-eletrodos em condições ótimas de desempenho no Estudo de Longevidade do Sistema da Medtronic.



O projeto foi estruturado com base em três características: confiabilidade (aguda e crônica), eficiência e resultados clínicos positivos. Os cabos-eletrodos Sprint Quattro foram desenvolvidos e construídos visando otimizar essas características com recursos adicionais.


Desempenho Elétrico Superior

- CABO COAXIAL VS. MULTILÚMEM

O primeiro cabo-eletrodo transvenoso da Medtronic utilizava cabos coaxiais, em razão do sucesso dos eletrodos de bradicardia.

O design multilúmem representou uma evolução significativa (Figura 2), pois proporciona redução do diâmetro (1-2Fr) e aumento do nível de isolamento de cada condutor. As principais vantagens desse cabo são o aumento da compressibilidade e a diminuição do risco de fratura do eletrodo.


Figura 2 - Figura esquemática do cabo Sprint Quattro.



A estrutura multilúmem permite que o silicone do corpo do eletrodo absorva eventuais choques mecânicos. Além disso, é possível reduzir a tensão entre os cabos, pois a estrutura permite que eles se movam. A adição de espaços de compressão (vazios) é uma inovação patenteada dos eletrodos Sprint que permite aumentar a compressibilidade e a resistência a rupturas do eletrodo.

- CONDUTOR DE ALTA EFICIÊNCIA QUE MANTÉM A RESISTÊNCIA INTERNA

Os cabos condutores são revestidos por uma camada de prata (Figura 3). O resultado é o aumento da eficiência elétrica do cabo. O comprimento reduzido dos condutores que não têm forma de mola, aliado à menor resistência do material, proporciona um cabo de aproximadamente 1 ohm no circuito de desfibrilação, em substituição aos 4 a 8 ohms dos cabos coaxiais tradicionais.


Figura 3 - Ilustração dos condutores recobertos com prata.



- CABOS COM ALTA RESISTÊNCIA À TRAÇÃO

Os cabos têm como características alta resistência à tração, flexibilidade e resistência à fadiga. Integram o corpo do eletrodo e têm extensibilidade limitada.

Na junção com a extremidade distal do eletrodo, os condutores formam uma rede de conexões que dá sustentação ao conjunto formado pela ponta, sistema de fixação e anel, o que confere maior resistência ao eletrodo, prevenindo sua desintegração durante a extração.

- PREENCHIMENTO DO ESPAÇO ENTRE OS FILAMENTOS DOS COILS PARA AUMENTAR DA ESTABILIDADE E DIMINUIR O CRESCIMENTO VEGETATIVO DO TECIDO

Adicionou-se silicone aos filamentos do coil para inibir o crescimento de tecido ao seu redor, aumentando assim a confiabilidade e facilitando a extração. Sem esse revestimento, a encapsulação decorrente do crescimento de tecido por sobre o coil pode afetar o eletrodo de desfibrilação. O silicone preenche os espaços vazios entre os filamentos e reduz o crescimento vegetativo do tecido, mantendo a posição do eletrodo (Figura 4).


Figura 4 - "Sprint Quattro Secure".



- CONEXÃO ADICIONAL NOS COILS, OTIMIZANDO A DISTRIBUIÇÃO DA CORRENTE E GARANTIDO A APLICAÇÃO DO CHOQUE

A tecnologia dos eletrodos mais antigos utilizava uma única conexão nos coils para reduzir sua complexidade e tamanho. Os novos eletrodos possuem conexões em ambas as extremidades dos coils para otimizar a distribuição da corrente e promover a redundância da conexão, aumentando assim a segurança (Figura 5). Tais melhoramentos resultaram em redução de 8% da energia de desfibrilação e programação com maiores margens de segurança para o paciente.


Figura 5 - Eletrodos Sprint Quattro com dupla conexão (distal e proximal) permitem 8% de redução da energia de desfibrilação, além de garantir a aplicação do choque.



- ELETRODO COM DILUIÇÃO DE ESTERÓIDES QUE PERMITE MENORES LIMIARES DE ESTIMULAÇÃO

Confiabilidade

- ISOLAMENTO REDUNDANTE COM PTFE/ETFE

ETFE(etileno-tetrafluoroetileno) para elevar a durabilidade e o isolamento elétrico (Figura 2).

- CAMADA ADICIONAL DE POLIURETANO

A maioria dos cabos multilúmem utiliza como isolamento primário o silicone, material com biocompatibilidade e estabilidade excelentes. Polímeros alternativos como o poliuretano apresentaram boa maneabilidade, mas pouca compressibilidade e alta rigidez. Os novos eletrodos são híbridos: utilizam o silicone como material isolante primário e o poliuretano com a finalidade de facilitar o manuseio e reduzir o atrito. Essa camada adicional de poliuretano é utilizada para manter o cabo isodiamétrico, ou seja, com o mesmo diâmetro dos coils de desfibrilação, além de melhorar sua resistência e durabilidade.

- PERFORMANCE MONITORING - TACHYARRHYTHMIA CHONIC SYSTEMS STUDY

Para o controle da qualidade após a venda, a performance de todos os eletrodos é avaliada pelo Estudo Crônico dos Sistemas de Taquiarritmia (TCSS) e pela análise dos produtos retornados.

A Medtronic realiza estudos prospectivos multicêntricos, projetados para monitorar o desempenho dos eletrodos comercializados. Somente sãoincluídos pacientes com mais de 6 meses de implante, com eletrodos conectados a CDIs disponíveis comercialmente ou que integrem estudos de avaliação da qualidade dos eletrodos por meio do CareLink (sistema de monitoramento à distância). Os dados são revisados independentemente e publicados duas vezes ao ano. Desta forma, a Medtronic assegura aos usuários de seus produtos segurança e confiabilidade na aplicação da terapia.




Perspectivas para o futuro

No futuro, os médicos poderão escolher caboseletrodos de CDI com a conexão IS-4, de conexão única com o gerador, o que facilitará o procedimento cirúrgico e minimizará os riscos. Cabos-eletrodos compatíveis com a ressonância magnética também estarão disponíveis em breve.

A Medtronic continua a ocupar um lugar na vanguarda da tecnologia em dispositivos de estimulação cardíaca, visando melhorar a qualidade de vida dos seus pacientes.


Gentil Silveira Soares

© Todos os Direitos Reservados 2019 - Departamento de Estimulação Cardíaca Artificial da Sociedade Brasileira de Cirurgia Cardiovascular