11
Visualizações
Acesso aberto Revisado por pares
Espaço Publicitário Boston Scientific

Avaliação no mundo real da programação de CDIs e CRT-Ds de duas zonas comparada com a programação de uma zona: o estudo ALTITUDE REDUCES

Avaliação no mundo real da programação de CDIs e CRT-Ds de duas zonas comparada com a programação de uma zona: o estudo ALTITUDE REDUCES




DADOS DO MUNDO REAL. BENEFÍCIOS NA VIDA REAL.

O Programa de Ciência Clínica ALTITUDE® está analisando dados abrangentes do sistema de Controle do Paciente LATITUDE® com o objetivo de clarear questões significativas relacionadas às terapias com Cardioversores Desfibriladores Implantáveis (CDIs) e Desfibriladores com Terapia de Ressincronização Cardíaca (CRT-Ds)1.


QUASE 16.000 PACIENTES INCLUÍDOS NA ANÁLISE

Objetivo:Avaliar a frequência de choques apropriados e inapropriados em pacientes com terapia em duas zonas versus terapia em apenas uma zona2.

Métodos: Foram avaliados 15.991 pacientes com CDIs e CRT-Ds com LATITUDE que cumpriram os critérios de inclusão com, no mínimo, 6 meses de acompanhamento.




98% DOS PACIENTES LIVRES DE PRIMEIROS CHOQUES INAPROPRIADOS*

Resultados: A incidência aos 12 meses de qualquer choque e de choques inapropriados2 foi significativamente menor (p < 0,001) para duas zonas do que para uma zona em todas as frequências, exceto > 200 bpm.

  • Aproximadamente 98% dos pacientes com dispositivo programado em 2 zonas e frequência VT > 170 bpm ficaram livres de um primeiro choque inapropriado durante o primeiro ano de terapia.
  • A detecção com duas zonas teve mais episódios ventriculares não sustentados e de terapias abortadas sem aumento na mortalidade.
  • Os pacientes programados com uma frequência de detecção baixa em uma zona e somente terapia de choque (uma zona < 170/Grupo A) tiveram uma taxa de mortalidade 2,5% superior a todos os grupos (p = 0,05).




    PROGRAMAÇÃO DO DISPOSITIVO

    Diretrizes de programação do estudo ALTITUDE REDUCES:


  • Utilizar uma programação com duas ou mais zonas.
  • Ajustar a zona de VT e a zona de VF com a frequência mais alta possível, apropriada para o paciente*.
  • Utilizar o ATP como a primeira opção de terapia.
  • Utilizar os algoritmos "discriminadores do ritmo" até a frequência mais alta possível, apropriada para o paciente.


  • COGNIS® e TELIGEN® com AcuShockTM Ajustes nominais

  • Duas zonas (160 e 200 bpm)
  • 2 bursts de ATP na zona VT
  • Quick ConvertTM ATP na zona VF (200-250 bpm)
  • Escolha dos algoritmos "discriminadores do ritmo":

    - Rhythm ID® (nominalmente On no TELIGEN) ou

    - Onset/Stability (nominalmente On no COGNIS)

    Algoritmo de sensing e filtragem exclusivos projetados para minimizar ruídos e oversensing de ondas T

    Recursos adicionais disponíveis no AcuShock

    Alerta de Impedância do Eletrodo para pacientes com LATITUDE

    Eletrodos RELIANCE com sobrevida maior de 99% aos 6 anos3


    REFERÊNCIAS

    1. Gilliam et al. Tachycardia Detection, ICD, CRT-D Devices, Appropriate and Inappropriate Shock, J Cardiovasc Electrophysiol, Vol. 22, pp. 1023-1029, September 2011.

    2. No ALTITUDE REDUCES, a menor incidência de choques e de choques inapropriados ocorreu quando a Zona VT >170 bpm.

    3. U.S. Survival Probability data, Q1, 2011 Boston Scientific Product Performance Report. As probabilidades de sobrevivência são estimativas estatísticas sujeitas a incertezas e a relatórios.

  • © Todos os Direitos Reservados 2019 - Departamento de Estimulação Cardíaca Artificial da Sociedade Brasileira de Cirurgia Cardiovascular